terça-feira, 23 de agosto de 2016

Governo destina R$ 40 milhões para construção de cisternas e fortalece agricultura familiar


A população de 16 municípios maranhenses foi beneficiada pelo Governo do Maranhão com o lançamento do Programa “Segunda Água”, que vai construir cisternas para captação de água, e assim contribuir para o aumento da produção e geração de renda para pequenos agricultores.
A iniciativa foi consolidada na tarde desta segunda-feira (22), no Palácio dos Leões, após a assinatura do convênio entre o governador Flávio Dino, o secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares e os representantes do Ministério do Desenvolvimento Social. Nesta primeira etapa, serão construídas 2.034 cisternas. No total serão beneficiadas nove mil famílias maranhenses com o investimento global do programa de R$ 40 milhões para a construção de 4.067 cisternas.

O governador Flávio Dino falou do investimento inicial e da importância do programa para garantir a reserva de água no momento de escarces de chuva. “Esse é um programa do Governo Federal que já existe em outros estados do Nordeste, mas que infelizmente não havia sido implantado em outros momentos. Desde o começo da nossa gestão, estamos lutando por esse convênio e finalmente ele foi assinado”, disse Flávio.
A primeira etapa das obras está prevista para a segunda quinzena de setembro. “Os trâmites já foram todos concluídos, o Governo Federal já fez o repasse do recurso, agora as empresas têm cinco dias para preparar um calção, e a partir daí já estaremos implementando. São cisternas para produção, chamada de cisterna de segunda água, com capacidade de 25 mil litros para auxiliar as famílias no momento de escarces de água, ajudando a ampliar a produtividade e melhorar a renda desse público”, disse o secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares.
O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Júlio Mendonça, classificou a ação como um marco para o Maranhão, tendo em vista que os índices pluviométricos, somatório da quantidade da precipitação de água de chuva, no estado cai a cada ano. “Com isso se cria um clima de escarces de água em grande parte dos municípios, onde o Maranhão não tem tradição de armazenamento ou contenção, e consequentemente os agricultores ficam à mercê das intemperes. No sentido contrário, o convênio vai permitir que, além da água para o consumo humano, se tenha água para produção com tecnologia inovadora e apropriada para o Maranhão”, analisou.
Um dos municípios contemplados foi o de Primeira Cruz, localizado a 100 quilômetros da capital maranhense. “O projeto de água ele é bem-vindo de uma forma ou de outra. Água é sinônimo de felicidade para qualquer região, inclusive esse de cisternas com a segunda água que é um programa que visa a captação e contenção de água por um tempo maior, reservado com uma qualidade melhor. Só o fato de puder ter água em abundância, garante ao pequeno produtor cuidar melhor dos seus animais, da sua horta, da sua lavoura, enfim, da sua criação”, comemorou o prefeito de Primeira Cruz, Sérgio Bogéa.


Nenhum comentário:

.

.