quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Governador recebe participantes da ‘1ª Taça Ilha Favela’ no Palácio dos Leões



Foi fácil perceber os olhos atentos a cada detalhe do Palácio do Leões e o sentimento de ineditismo em ser recebido por um chefe do executivo estadual entre os jovens que representaram os 32 times de futebol amador que participaram da 1ª Taça Ilha Favela e se reuniram com governador Flávio Dino, na manhã desta quarta-feira (14). O momento foi para relatar ao governador o impacto que o campeonato, organizado pela Central Única das Favelas (Cufa), com patrocínio do Governo do Estado, causou na vida desses jovens e reafirmar a parceria que resultará na edição de 2017 do torneio.
A 1ª edição do ‘Taça Ilha’ foi um evento voltado para moradores de ocupações de São Luís, nos bairros Coroado/Coroadinho, Sá Viana e Cidade Operária, envolvendo atividades esportivas e culturais, tendo como destaque uma competição de futebol de campo masculino com atletas, e, em paralelo, shows de artistas locais e nacionais, oficinas de grafite, dança de rua, estética afro e muitas outras atividades. O evento, que ocorreu aos fins de semana do mês de novembro, encerrou tendo como campeão o time União (Coroadinho) e o show do rapper MV Bill.
Ao conversar com os participantes do torneio, o governador Flávio Dino relatou que o mais importante da ‘Taça Ilha Favela’ foi o impacto social. “Como resultado temos o reconhecimento do esporte como direito, o espaço de convivência nos bairros e a mobilização da juventude e as consequências dessas políticas virão no futuro também, porque não foi apenas um evento, mas sim uma grande mobilização social em torno da causa do esporte, voltada, especialmente, para a juventude, com resultados atinentes, por exemplo, a melhorias dos espaços onde vivem. Acertamos novas parcerias para continuidade da taça no próximo ano com mais times, de modo que é um processo contínuo. Foi um belo evento que vai continuar e gerar ótimos frutos”, defendeu o governador.
O presidente global da Cufa, Preto Zezé, esteve na visita ao Palácio dos Leões e explicou que o torneio difere de tantos outros já realizados por conta da abertura do diálogo direto com o poder público. Segundo ele, estes meninos nunca imaginam ser recebidos por um governador, tendo a Cufa o papel importante de articulador. “É principalmente um movimento social através do esporte, o desenvolvimento das favelas, de integração das comunidades e desse diálogo direto com o poder público. É importante os jovens virem aqui. Tinham mães que não estavam acreditando que os filhos iam sair de manhã para encontrar com o governador do Estado. É a inauguração de um diálogo direto do poder público com as favelas, essa é a função da Cufa”, relatou Preto Zezé.
O presidente global da Cufa ainda destacou que o “futebol todo mundo já pratica, mas fazer um movimento para que o poder público se sensibilize, e, a partir disso, construa políticas públicas para intervir nesse território, essa é a nossa missão. Fico muito feliz com a parceria com o governo e a sensibilidade do governador de entender, participar e se comprometer com isso, e vamos agora à segunda edição”.
Guilherme Lucas, 18 anos, jogou no time ‘RV FC’ e disse que a possibilidade de ter o futebol reconhecido por times maiores foi uma grande vantagem do torneio. “O campeonato foi muito bom, porque essas oportunidades nos ajudam a ter um melhor envolvimento com o esporte, influenciado a gente a correr atrás de um troféu para ser reconhecido. Lá onde eu moro é muito esquecido, a Cidade Olímpica é bem longe, agora poderemos ser enxergados pelo nosso futebol”, opinou.
Assim como Guilherme, Danilo Rodrigues, 18 anos, é atleta do time do Reação, do Bairro do Jambeiro, e acredita no poder transformador do esporte. “Achei uma ótima opção para nós, que moramos na periferia, é bom para que a gente venha nos ligar mais para o esporte. Espero que tenha mais vezes, achei uma ótima opção do Governo trazer o esporte para nossas vidas”, disse o jogador.
Também estiveram na recepção aos atletas da 1ª Taça Ilha Favela o secretário de Estado de Esporte e Lazer, Márcio Jardim, a secretária de Estado da Juventude, Tatiana Pereira, e o secretário de Estado de Governo, Antônio Nunes.


Nenhum comentário:

.

.